Fim de ano é época de fazermos retrospectiva do ano que passou e estabelecermos novas metas para o ano vindouro 🍻

Como boa virginiana que sou, trabalhar com metas funciona muito bem para mim, pois fico muito feliz quando constato que alguns objetivos que tracei são cumpridos em curto, médio ou longo prazo ✅

E desde que comecei o pole sempre tive o hábito de estabelecer objetivos relacionados ao aprendizado de alguns movimentos.

Quando conhecemos um pouco sobre o pole, aprendemos que as figuras que fazemos na barra têm nomes específicos e são previamente catalogadas em alguns níveis de dificuldade.

Em regra, no nível básico aprendemos alguns giros, como o fireman e o chair, além de movimentos estáticos na barra, como o Seat Águia e o Mexicana.

aragaojaci

Mexicana da @aragaojaci

No final do nível básico aprendemos as primeiras inversões (Inversão Contrária, Scorpion, Butterfly).

itscamilagomes

Inversão contrária da @itscamilagomes

No nível intermediário surgem novos giros, como o saca-rolha, e movimentos na barra de maior dificuldade, como a Bandeira e o Monkey.

kellyfox3009

Monkey da @kellyfox3009

Já no nível avançado surgem movimentos de maior exigência de força, flexibilidade e equilíbrio, como o Fish Hook, o Janeiro e o Iron X.

cibritopoledancer

Fish hook da @cibritopoledancer

É importante saber que, a depender da metodologia do estúdio em que você faz aula, determinadas figuras podem ter nomenclaturas diferentes e até se enquadrar em níveis diferentes de dificuldade.

De todo modo, é interessante perceber que cada corpo reage de uma maneira à prática do pole e, consequentemente, para algumas pessoas alguns movimentos são mais fáceis de executar, ao passo que, para outras, esses mesmos movimentos são mais difíceis, o que significa dizer que cada pessoa terá a sua trajetória individualizada de aprendizado 💜

Por exemplo, eu, com dois anos e meio de pole, já consigo fazer alguns movimentos do nível avançado (como superinversão), mas ainda tenho muita dificuldade com alguns movimentos do nível básico (como Mulher Maravilha e o Marley 😥).

Um movimento que conquistei a duras penas e que estava na minha listinha de metas para 2018 foi o Princess 👑. Um move tão lindinho mas tão ordinário haha. Fico muito contente de tê-lo aprendido e agora conseguir executá-lo até na barra giratória ✌

 

eu

Eu alegre no Princess 😆

Realmente, uma das caraterísticas do pole que mais me atrai é o quão desafiadora essa atividade se mostra e por ser um desafio consigo mesmo, sendo que é gratificante perceber os resultados. De fato, em um dia você tenta a todo custo executar um movimento e ele não sai e, algum tempo depois, você percebe que consegue fazê-lo de uma maneira plena.

É lógico que cada um tem o seu tempo e tudo depende da constância dos treinos, mas, acreditem em mim, com paciência, persistência e alguns roxinhos, tudo é possível! 💪

Você já traçou sua lista de desejos para os moves de 2019?

Meu #musthave do ano será o Flying Ballerina 😍

Ah, não começou o pole ainda? Então vem!

Deixe uma resposta