Dentro do pole, da dança e das coisas em geral é sempre muito importante buscar conhecimento por novas fontes pra termos uma visão mais ampla do mundo e de nós mesmos, eu como eterna insatisfeita resolvi testar meus conhecimentos e me descobrir como pole dancer de identidade própria e desde o inicio do ano comecei a treinar esporadicamente no @studiometropole. Lá eles possuem uma infinidade de aulas especificas, todos os tipos de coreográficos e professores de todos os estilos. Nem preciso dizer que estou apaixonada e quero pra vida né? Mas o foco não é falar dessa nova paixão, e sim de como a gente evolui com novos olhares. Eu me considerava uma aluna quase avançada, pois executo muitos movimentos complexos já e tenho bastante força e consciência corporal apesar do meu flex terrivel, no entanto, buscando outras aulas apenas para experiência tendo em vista que eu já sou instrutora, eu me percebi muito fraca nas coisas mais basicas, talvez até por só querer aprender coisas de alto nivel de dificuldade. Pois bem, me senti frustrada óbvio, e vi que tenho muito o que melhorar e rever antes de seguir em frente, o que me incomoda de certo ponto mas também me deixa feliz em reconhecer e perceber que meus movimentos e transições estão mais limpos.



Outra coisa que eu achei essencial e talvez o mais importante na minha experiência foi conseguir identificar com mais clareza o meu estilo. Quando a gente só treina com um professor acaba condicionado a ser como ele, ter um repertório de movimentos parecido e seguir a mesma linha de dança ou de expressão e então eu me vi dentro de outros estilos, acho que só não experimentei o funk, de resto fui desde o lirico até combos de força e impacto passando pelo classique mais sensual do mundo e o exotic.

Antes eu notava apenas ter menos aptidão ou me sentir menos segura em determinados estilos, mas ao vivenciar um pouco de cada um deles eu pude me sentir a vontade e entender que a minha “esquisitice” também é um estilo, e é o meu próprio estilo. Isso está me trazendo segurança e aflorando minha criatividade pois eu sai da casinha e cortei todas as restrições. A coisa mais importante que eu ouvi, uma vez da maravilhosa @estrelarainha e depois da @lilianevaranda é que não existe regra, tudo pode ser adaptado ao seu estilo e a sua mensagem dentro da musica.

Não fechem os olhos pro conhecimento, não ignorem o feeling e o que diz o coração de vocês! O pole é arte, e arte é amor, e pra amar é só deixar fluir!

Foto do meu primeiro festival, junho de 2018

 

Deixe uma resposta