Já falamos aqui muitas vezes que todo mundo pode praticar pole dance, que não precisa ter força ou ser flexível para começar, que tanto homens quanto mulheres podem praticar e que não existe restrição de idade ou de peso.
Dito isso, queria conversar um pouquinho com vocês sobre algumas dúvidas que surgem logo no comecinho das aulas. E uma delas é sobre os roxinhos.
Você tomou coragem e agendou a sua primeira aulinha de pole. Foi toda entusiasmada treinar e mandou super bem na primeira aula. Já fez algumas figurinhas estáticas, aprendeu um ou dois giros e ainda fez uma coreografia. Saiu exausta, mas super feliz!
No dia seguinte, contudo, ao acordar, sentiu o corpo dolorido e encontrou alguns roxinhos na pele…

Fotos de roxinhos cedidas pelas nossas alunas lindas

Com os roxos, sempre vêm as seguintes perguntas: Isso é normal? As outras meninas também ficam roxas? Vou ficar roxa depois de todas as aulas que eu fizer?
Calma! É normal sim!
Pra gente se “prender” na barra, usamos o atrito entre o pole e a pele, que, no começo, não está acostumada com esse atrito e “reage”, ficando roxinha. Dependendo do tipo de pele de cada aluna, podem aparecer mais ou menos roxinhos, menores ou maiores, conforme a sensibilidade de cada aluna.
Conforme a pele se “acostuma” com a aderência com o pole e o corpo desenvolve as travas necessárias para praticar pole dance, os roxinhos simplesmente deixam de aparecer!
Eles podem voltar mais pra frente, quando você for aprender uma trava nova, mas, logo depois, o corpo também se acostuma e não vai ficar mais roxo.

Para confirmar essa informação, fizemos uma enquete nas nossas redes sociais nos dias 18 e 19 de novembro de 2019  sobre os roxinhos no pole, enquete essa que envolvia quatro perguntas:

1) Há quanto tempo você pratica pole (pergunta aberta);

2) Como você considerava seus roxos quando começou a praticar pole (a pergunta indicava quatro alternativas como resposta, sendo elas: a) ficava muito roxa; b) ficava frequentemente roxa; c) às vezes ficava roxa e d) não ficava roxa) ;

3) Como estão seus roxos agora? (a pergunta indicava quatro alternativas como resposta, sendo elas: a) continuo muito roxa, b) ainda fico bastante roxa, c) fico roxa de vez em quando, d) não fico mais roxa); e

4) Você considera que seus roxinhos diminuíram? (respostas: sim ou não).

Consideramos válidas as informações colhidas das pessoas que responderam pelo menos três dessas quatro perguntas, descartando as informações de respondentes que apenas informaram o tempo de pole ou que apenas informaram como os roxos eram antes ou apenas como aparecem atualmente.

Como resultado, tivemos o seguinte material colhido:

  • Gui – 6 anos de pole – não respondeu como era antes – hoje não fica mais roxo
  • Danielle – 3 anos de pole – frequentemente ficava roxa – hoje fica de vez em quando
  • Lorraine- 3 anos de pole- ficava muito roxa – hoje ainda fica bastante roxa 
  • Bruna – 3 anos de pole – ficava muito roxa – hoje fica de vez em quando
  • Liara – 1 ano e sete meses de pole- ficava muito roxa – hoje continua muito roxa
  • Leonardo – 1 ano e 3 meses de pole- ficava muito roxo – ainda fica bastante roxo
  • Jéssica – 1 ano de pole – ficava frequentemente roxa – hoje fica roxa de vez em quando
  • Talita – 9 meses de pole – ficava muito roxa – hoje fica de vez em quando
  • Daniela – 6 meses de pole- ficava muito roxa – hoje fica de vez em quando
  • Naomi – 6 meses de pole – antes ficava muito roxa – hoje ainda fica bastante roxa
  • Vitoria – 5 meses de pole – ficava muito roxa – hoje ainda fica bastante roxa 
  • Lia – 4 meses de pole- ficava muito roxa – hoje ainda fica bastante roxa
  • Tatiani – 2 meses de pole – ficava muito roxa – hoje fica de vez em quando
  • Marcela – 1 mês de pole – ficava muito roxa – hoje ainda fica muito roxa
  • Amanda – 1 mês de pole – ficava muito roxa – hoje ainda fica bastante roxa
  • Ana – não respondeu tempo de pole – ficava muito roxa – fico roxa de vez em quando
  • Ingrid – não respondeu tempo de pole – ficava frequentemente roxa – hoje fica roxa de vez em quando
  • Thalita- não respondeu tempo de pole – ficava frequentemente roxa – hoje ainda fica bastante roxa
  • Maori – não respondeu tempo de pole – ficava muito roxa – hoje fica roxa de vez em quando
  • Raquel – não respondeu tempo de pole – ficava frequentemente roxa – hoje fica roxa de vez em quando
  • Milene- não respondeu tempo de pole – ficava muito roxa – hoje fica roxa de vez em quando
  • Priscila – não respondeu tempo de pole – ficava frequentemente roxa – hoje fica roxa de vez em quando

Em imagens, sem a triagem das respostas, as informações colhidas foram as seguintes:

Os dados confirmam que a maioria das praticantes de pole considerava ficar muito roxa no começo, mas, depois de algum tempo, os roxos passaram a surgir apenas de vez em quando 💜

Deve-se ressalvar que algumas das alunas que responderam que “continuam muito roxas” ou que “ainda ficam muito roxas” afirmaram que praticam pole há menos de seis meses, o que indica a possibilidade de que a resposta dessas alunas mude no futuro, pois talvez não tenha ainda passado tempo suficiente para a pele se adaptar.

Em todo caso, com os dados coletados, de 24 respondentes, 21 pontuaram que consideram que seus roxinhos diminuíram com o tempo de prática de pole, o que deve ser um dado muito animador para as polerinas iniciantes 😄

De toda forma, enquanto os roxinhos não somem, cremes de arnica e pomadas como hirudoid são bem vindos, assim como o uso de joelheiras, munhequeiras e/ou outras proteções, conforme a necessidade de cada aluna (converse com seu professor a respeito).
Por fim, queremos contar que, assim como os roxos desaparecem, o desconforto de algumas travas também deixa de acontecer com o tempo.
Pois é, pole dance não é só glamour! O processo de aprendizado envolve muitas tentativas e erros, alguns roxos e também algumas figuras doloridas, principalmente para pessoas com maior sensibilidade na pele. Mas o corpo se adapta e, depois de alguns treinos, o que antes era dolorido/incômodo depois deixa de ser.
E você, como lida com os seus roxinhos? Conta pra gente!

Deixe uma resposta